Com o desenvolvimento da internet após os anos 2000, muitos empresas acabaram se consolidando dentro do mercado financeiro graças a essa expansão do mundo digital. Muitos termos técnicos surgiram nesse período, e startup é um deles. Ao longo do século XXI, muitos significados foram dados para essa expressão, alguns denominavam startups de pequenas empresas em seu período inicial, já outros defendiam a ideia de que era um empresa com poucos custos.  Mas atualmente, a palavra startup é definida como uma equipe que procura produzir um bom negócio, em grande escala, mas no meio de condições incertas e que, muitas vezes, podem ser bem arriscadas.

 

Growth Hackers

 

No mundo globalizado em que as coisas acontecem de forma acelerada, muitos empreendedores acabam fazendo investimentos arriscados. Eles acabam utilizando de várias estratégias para alavancar seu produto e conseguir mais clientes, sendo o marketing uma ferramenta fundamental nesse processo. Porém, nos últimos anos está surgindo um grupo dentro das empresas responsável por fazê-la crescer rapidamente em um período muito curto de tempo: os Growth Hackers.

Segundo Sean Ellis, Growth Hacking é um termo utilizado para definir uma nova vertente do marketing ligada a diversos experimentos. É um processo no qual a empresa procura por pequenos atalhos tendo sempre o objetivo de atingir um rápido crescimento. Os Growth Hackers são profissionais que precisam ter um conhecimento técnico sobre computação, marketing, administração e, principalmente, a relação do consumidor com o mercado.

 

A relação das Startups com o Growth Hacking

 

As empresas modernas acabam utilizando muito desses profissionais para expandirem seu negócio. É uma abordagem diferenciada e que só as empresas com produtos comercializados na internet acabam utilizando.  O Instagram, por exemplo, percebeu que expandir o seu serviço para outras redes sociais como, Twitter e Facebook, seria uma estratégia em que aumentaria sua utilização para plataformas maiores, acelerando o seu serviço e o levando para o mesmo patamar de mídias já consolidadas. Esse modelo de growth hacking deu certo, tanto que, atualmente, o Instagram possui uma popularidade tão grande quanto o Facebook e até mesmo maior que o Twitter.

O Dropbox, em seu início, elaborou um método que permitia os usuários convidarem seus amigos em troca de mais espaço. É um plano simples criado pelos growth hackers, mas que gerou um crescimento extremamente significativo para a empresa: eles foram de 100 mil usuário para cerca de 4 milhões de pessoas, e tudo isso em menos de 20 meses.

Analisando esses dois exemplos, percebe-se o quanto o growth hacking pode ser uma estratégia eficaz dentro de uma startup, oferecendo um crescimento acelerado de clientes em um tempo bem curto. Muitos métodos tradicionais de marketing demoram anos para conseguir o que esses novos profissionais estão conseguindo.

Existe uma ideia generalizada dos Growth Hackers estarem fazendo algo ilegal. Esse pensamento é totalmente equivocado, umas vez que eles são pessoas totalmente especializadas dentro da área que trabalham. Esse preconceito existe porque a palavra hacker possui diversas interpretações, sendo um delas relacionada ao mito dos hackers serem pessoas que entendem muito de computação e acabam indo contra a lei para atingir seu objetivo.

No termo growth hacking, a palavra hacking está relacionada a encontrar atalhos para atingir o seu objetivo o mais rápido possível. Eles estudam a psicologia do consumidor e estratégias do marketing digital, mostrando serem extremamente competentes dentro daquilo que se propõem a fazer.  Já o “hacker” que as pessoas costumam conhecer também encontra atalhos, mas para acessar dados confidenciais, sendo algo totalmente diferente da função do growth hacker.

 

Estratégias do Growth Hacking

 

Os growth hackers apresentam diversas estratégias para atingir seu objetivo dentro da empresa. A mais conhecida é chamada de funil do growth hacking.  Composto por cinco fases (aquisição, ativação, retenção, receita e indicações) essa é uma forma deles otimizarem seu trabalho e analisarem o resultado obtido.  Também há uma vantagem em dividir seu processo de trabalho em etapas, ficando mais fácil encontrar os principais problemas que precisam ser resolvidos.

Porém, antes de trabalhar com o funil, é preciso realizar inúmeras pesquisas sobre o cliente que pretende atingir, mas além disso, também é necessário fazer uma pesquisa sobre os casos de sucessos e também os que falharam dentro da estratégia pretendida. Eles trabalham com ideias que viram hipóteses, e essas hipóteses viram experimentos que, muitas vezes, podem dar certo. E é por causa disso que muitas empresas andam deixando o marketing tradicional mais de lado.

Muitas empresas pequenas já se tornaram reconhecidas devido às estratégias dos growth hackers, e para os novos empreendedores, principalmente, essa parece ser uma excelente opção para alavancar o seu negócio em um período curto de tempo

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *